Área em ascensão no Brasil pode contar com o apoio do banco para investimentos dentro do Ano Safra 2018/2019.

A Caixa Econômica Federal lançou em seu portfólio de crédito rural uma linha de custeio destinada ao segmento da piscicultura, para financiamento da produção em regime de integração, por meio de cooperativas e agroindústrias.

“A exemplo da avicultura, que se desenvolveu bastante com o modelo de integração e transformou o Brasil no maior exportador de carne de frango, acreditamos que a piscicultura apresenta grande potencial de crescimento”, disse o diretor executivo de Produtos de Varejo da CAIXA, Humberto Magalhães. “O objetivo da CAIXA é apoiar o setor com o crédito e contribuir para a geração de renda e emprego no segmento”, explicou.

A piscicultura brasileira produziu 697 mil toneladas de peixes de cultivo em 2017, resultado 8% superior ao do ano anterior (640,5 mil toneladas), segundo a Associação Brasileira da Piscicultura, a Peixe BR.

“Basicamente, toda nossa indústria está trabalhando com recursos próprios, sem dinheiro externo e ainda tivemos um crescimento em torno de 8% no ano passado. A produção cresceria mais rápida se tivéssemos recursos externos para custeio”, avaliou o presidente da Associação, Francisco Medeiros. “Temos interesse nesse recurso, esse é um caminho sem volta”, completou.

Com uma receita bruta anual de R$ 4,7 bilhões em 2017, o Brasil tem na tilápia a espécie mais cultivada, segundo a Peixe BR. A tilápia representa 51,7% da piscicultura nacional, com mais de 357,6 mil toneladas produzidas no ano passado. Com essa produção, o país já pode ser considerado o quarto maior produtor de tilápia do mundo. A segunda posição não é uma espécie em si, mas de uma categoria de peixes nativos, como o tambaqui, carpas e trutas.

Segundo a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o Brasil exportou pouco menos de US$ 150 milhões em pescado em 2017. Esse número inclui pesca e aquicultura. A projeção para este ano, segundo a Secretaria, é de um crescimento de 10% na exportação. Medeiros também acredita que o avanço em 2018 deve chegar a dois dígitos. “Para continuarmos crescendo, precisamos estar dentro do Ano Safra”, falou.

Desde a segunda quinzena de junho, a CAIXA vem recebendo propostas nas novas condições do Plano Safra 2018/2019 de produtores rurais, cooperativas e agroindústrias, incluindo aquelas que atuam na piscicultura por meio da integração. São R$ 8,5 bilhões disponíveis neste ano safra para todos os segmentos, nas linhas de custeio, industrialização, comercialização e investimento.

Texto publicado originalmente na Agência CAIXA de Notícias.