A necessidade de maior rigor de fiscalização sanitária aos peixes importados, que deveriam passar pelos mesmos critérios adotados nos frigoríficos brasileiros, foi o tema principal da reunião da Câmara Setorial da Aquicultura do MAPA, realizada no dia 09 de novembro, em Brasília, que contou com a presença do secretário executivo da Associação Brasileira da Piscicultura (PEIXE BR), Francisco Medeiros. O tema foi proposto pela PEIXE BR na reunião realizada durante a Aquaciência, em Belo Horizonte (MG).

O MAPA reportou que já iniciou o trabalho de fiscalização de análises dos peixes importados, principalmente em relação às questões de tripolifosfato (incorporação de água no filé), excesso de gelo, metais pesados, antibióticos etc. O resultado preliminar desse trabalho: investigação em cinco empresas vietnamitas e quatro empresas chinesas.

Outro assunto encaminhado para o MAPA refere-se à necessidade de os processos de Águas da União terem mais celeridade, além da agilização dos milhares de processos que há vários anos estão sendo analisados no Ministério. O MAPA apresentou um cronograma de conclusão dos processos antigos e tomada de decisão dos processos em andamento.

A convite do MAPA, a PEIXE BR participou do lançamento do Projeto Agro+, representando a cadeia da Piscicultura. O Agro+ objetiva simplificar os processos do Ministério e o atendimento das demandas de várias cadeias produtivas, incluindo do setor aquícola.

A Peixe BR também solicitou ao Ministério celeridade para os registro de novos medicamentos.

Ainda em Brasília, a entidade também participou do evento “Pirarucu da Amazônia”, promovido por Sebrae e Embrapa, que teve a apresentação dos últimos trabalhos sobre o assunto, além de evento gastronômico e discussões de situações mercadológicas sobre o produto.