A Tilápia representa mais de 50% da produção brasileira de peixes de cultivo, sendo a espécie mais consumida no país, com demanda de cerca de menos de 2 kg/hab/ano. É pouco, mas o potencial de crescimento é imenso.

A Tilápia está presente em todo o país e lidera a produção no Centro-Sul, incluindo o Sudeste. Nesta região, estima-se que o consumo seja pelo menos o dobro da média nacional devido à maior oferta, variedade de cortes e facilidade de encontrar em supermercados, feiras livres, restaurantes etc.

De acordo com a Associação Brasileira de Piscicultura (PEIXE BR), em 2018 o Sudeste produziu 106 mil toneladas de Tilápia. São Paulo destaca-se, com 66 mil toneladas. “A assinatura do Decreto 62.243, que tornou o sistema de obtenção das licenças ambientais no estado mais ágil e acessível, simplificando, desburocratizando e baixando os custos é uma grande conquista dos piscicultores paulistas. A produção está espalhada pelo estado, com destaque para os reservatórios das Usinas Hidrelétricas dos rios Paraná, Paranapanema, Baixo Tietê e Médio Tietê”, explica Francisco Medeiros, presidente executivo da entidade.

Iniciativas de fomento da atividade vêm sendo aplicadas com sucesso também no Espírito Santo, onde a tilápia também é destaque da produção. Em 2017, o estado avançou 11,1%, com 10,7 mil toneladas de Tilápia, segundo a PEIXE BR.

“Os produtores capixabas investem cada vez mais em tecnologias para aumentar a produtividade. Um dos entraves é a dificuldade para obtenção da outorga de águas da União e liberação do licenciamento ambiental. Por outro lado, a difusão de conhecimento ajuda a profissionalizar a cadeia produtiva”, pontua Francisco Medeiros.

No Rio de Janeiro, o cultivo de peixes ainda é modesto. A produção é de 3,7 mil toneladas de Tilápia, em 2017. Porém, o consumo per capita também é o dobro da média nacional, segundo a PEIXE BR. “Destaque ao potencial da atividade, que vem apostando no apoio aos pequenos piscicultores para diagnosticar os principais problemas e expandir a produção”, explica o presidente da PEIXE BR.

Minas Gerais o crescimento mais consistente no ranking da produção de peixes, com destaque para a Tilápia, que atingiu 27.579 toneladas, em 2017. “Apesar do obstáculo da regularização aquícola, a atividade mantém o avanço, investindo em aperfeiçoamento para todos os elos da cadeia, como sanidade, cursos, capacitação e tecnologia”, detalha Francisco Medeiros.

O presidente executivo da PEIXE BR ressalta que o mercado no Sudeste é altamente competitivo e também com grandes chances de crescimento da produção e do consumo. “A piscicultura como um todo e a Tilápia em particular têm grande potencial de crescimento no Sudeste devido à concentração populacional e à busca por alimentos de qualidade, saudáveis e com responsabilidade ambiental”, assinala o dirigente.